< Voltar
2018-10-29 11:12

 Bolsas em mínimos aliviam juros e impulsionam OURO

 

 

 

 

 

As bolsas europeias fecharam a sessão em queda, ainda assim mais ligeira do que se antecipava. A incerteza em torno do mercado de acções está a levar à queda do juros e à subida do ouro.

 

Os mercados em números

PSI-20 caiu 1,27% para 4.924,95 pontos

Stoxx 600 desceu 0,77% para 352,34 pontos

S&P 500 desvaloriza 1,4% para 2.667,64 pontos

"Yield" a 10 anos de Portugal recua 3,8 pontos base para 1,902%

Euro sobe 0,29% para 1,1408 dólares

Petróleo aprecia 0,29% para 1,1408 dólares por barril

 

Bolsas europeias terminam semana com quedas acentuadas

As principais praças europeias viveram um novo dia de quedas avultadas, com os índices a descerem e a renovarem mínimos de 2016. As bolsas chegaram a perder mais de 1%, mas no final da sessão acabaram por aliviar das quedas e fecharam com descidas inferiores. 

 

A contribuir para as quedas desta sexta-feira, 26 de Outubro, estão os resultados decepcionantes da Amazon e da Alphabet – divulgados após o fecho da sessão em Wall Street – que estão a diminuir ainda mais o apetite pelo risco - e as descidas do sector automóvel, que está a ser arrastado pela Valeo. A fabricante de componentes automóveis afundou mais de 21%, depois de ter revisto em baixo as suas estimativas, com base na desaceleração da economia chinesa.

 

O Stoxx600, índice que agrega as 600 principais cotadas europeias, fechou esta última sessão a perder 0,77%, com o vermelho a imperar em toda a Europa. Todos os principais índices bolsistas caíram e Lisboa não foi excepção. O PSI-20 cedeu 1,27% para 4.924,95 pontos, com 17 das cotadas que o compõem em queda. E algumas com quedas expressivas, como o caso do BCP e Jerónimo Martins deslizaram mais de 2%, Galp e Sonae SGPS perderam mais de 1%.

Os últimos dias têm sido marcados por perdas elevadas e subidas expressivas, alternadas. O contexto não ajuda, com a guerra comercial, as tensões geopolíticas em torno da Arábia Saudita devido à morte do jornalista saudita no consulado deste país, a polémica em torno de Itália e do seu Orçamento "incumpridor" e os resultados abaixo do esperado de algumas cotadas a contribuir para a oscilação. Mas não serão "apenas" estas questões. Há já analistas que alertam para a inevitabilidade de correcções e especialistas dizem que não há razões suficientes para justificar estes "sell-offs"

 

No acumulado da semana, o Stoxx600 recuou mais de 2%. Este índice cedeu mesmo para mínimos de Dezembro de 2016.

 

Juros descem com investidores a "fugirem" das acções

As quedas abruptas do mercado bolsista estão a levar os investidores para outros activos considerados mais seguros. Como é o caso das obrigações soberanas. No caso da Europa, mesmo com o fantasma de Itália, os investidores acabam por preferir um activo cujo risco parece menor, numa altura em que as bolsas estão a revelar uma volatilidade elevada.

 

Assim, a taxa de juro associada à dívida a 10 anos de Portugal está a descer 3,8 pontos base para 1,902%. A "yield" da dívida alemã está a registar uma descida mais acentuada, de 4,6 pontos para 0,352%, o que aumenta o prémio de risco da dívida nacional para 155 pontos base.

 

Taxas Euribor caem a três e 12 meses

As taxas Euribor voltaram a cair no prazo mais curto e no prazo mais longo, mantendo-se nos restantes períodos. A taxa a três meses desceu para -0,318%, já no prazo a 12 meses a Euribor recuou para -0,148%. A seis meses a taxa estabilizou nos -0,259%, enquanto no prazo a nove meses manteve-se nos -0,198%.

                                                                                        

Queda das bolsas e PIB dos EUA condiciona dólar

A moeda americana segue pouco alterada contra um cabaz das principais divisas mundiais, a reflectir os dados económicos divulgados esta sexta-feira, 26 de Outubro, e os receios em torno das bolsas. Por um lado, o PIB dos EUA cresceu 3,5% no terceiro trimestre, menos do que no trimestre anterior, mas mais do que o esperado pelos economistas. Por outro lado, a desconfiança dos investidores em torno do mercado accionista tende a beneficiar o dólar, que é muitas vezes usado como "refúgio".

 

Petróleo cai mais de 3% na semana

O preço do petróleo caiu pela terceira semana consecutiva, afastando-se cada vez mais dos 80 dólares por barril. Isto num período marcado pela mudança de atitude da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP). O cartel admitiu cortar a produção no próximo ano devido às preocupações em torno do aumento das reservas de petróleo e da incerteza económica. O barril do Brent, negociado em Londres e referência para Portugal, desce 3,4% no acumulado da semana.

 

Ouro sobe a beneficiar do "sell-off"

O ouro está a valorizar-se, a beneficiar da fuga dos investidores dos activos considerados de maior risco. Este metal precioso é usado como refúgio em períodos de maior incerteza e é isso que está a acontecer. O ouro avança assim 0,67% para 1.240,43 dólares por onça.

 

Fonte: https://www.jornaldenegocios.pt

Comentários
Desenvolvido por: Creoconcept.com | MyCsite.com v4 - web design e criação de lojas online | Sitemap